segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Noites minguantes

[Postado por Flavio Ferrari]


E quando a onda chegou
Destruindo tudo que havia
E quando pouco sobrou
Além da melancolia

Do pouco que via
Num afã se apossou
Aquela alma vazia

E cresceu sobre o chão
Daquelas tristes ruínas
Uma nova ilusão
De luzes e bailarinas

A assombrar as cantinas
Uma triste canção
De saudades ferinas

11 comentários:

É! disse...

L-I-N-D-O!

Udi disse...

Lindo! ...mas dói!
e essa foto?! que magia!

...exclamações e mais exclamações!

Anne M. Moor disse...

A dor também produz beleza...

Ti disse...

Para renovar algo, muitas vezes é necessário substituir por completo!!!

Aproveite o vazio da alma e curta o brilho das luzes e a leveza das bailarinas...

Beijos

Ernesto Dias Jr. disse...

Caraca! Mas foi assim, com punhal e tudo?

disse...

POETA!

Flavio Ferrari disse...

É assim, meu caro ...
Over and over ...

Walmir Lima disse...

Inspirado, o moçoilo.
Viajar faz bem.

Walmir Lima disse...

Quer dizer... Faz bem pra poetar.
Afinal, em meio a 'destruição', 'melancolia', 'vazio', 'ilusão', 'luzes e bailarinas', 'saudades ferinas'... (putz) só podia sair poesia.

Jorge Lemos disse...

minha visão: "em favor da dor"!

O Príncipe deve continuar poetando.

Anne M. Moor disse...

Over and over again
we all fall down the drain...

Atroz!!!!!!!!!!!!!!