quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Sobre "Petifours"

[Postado por Gui Ferrari]

obs: Não sei como se escreve petifour. Se não está escrito corretamente, simulem em suas cabeças que está, e se está correto, foda-se.


SOBRE PETIFOURS

Relacionamentos podem ser resumidos a uma metáfora que usa petifours (para você ver como a vida é simples). a paixão é como se duas pessoas dividissem um petifour (cada um dá uma mordida, bem pequena, para não ser injusto). A briga é quando cai no chão. Agora, construir um relacionamento depende da qualidade da sua receita de petifour, pois você pode fazer o seu ou comprar na padaria (ou pode vir com o cafezinho). Enfim, se você decidir ter a sua própria receita de petifour e a pessoa que você se relaciona também, então estão prontos para amar. Você pode simplesmente fazer seu próprio petifour e gostar, a hora que quiser (ou quando não estiver lotado de trabalhos...), ou trocar de petifour, ou seja, você come o petifour da pessoa e ela come o seu (lembrando que você pode comer o seu a qualquer hora, mas para alguém comer o seu precisa ter alguém para comer, certo?). Então ambos podem gostar de petifours dos outros! Agora, depois do reconhecimento de terreno (ou de docinhos caseiros) o par passa para o próximo passo: a troca de receitas. Ambos vem as receitas um do outro e depois opinam e trocam idéias. Depois de derrubarem um monte de petifours no chão eles chegam a uma receita só! fantástico. ou não, cada um fica com a sua receita, mas alterada pelo outro, melhorada pelo outro. talvez não também. muda quem quiser... ta bom, essa parte não é tão simples...

ah!
derrubei a porra do petifour...
boa noite que eu tenho que limpar o chão...

12 comentários:

É! disse...

hum... perdi meu livro de receitas... os 'petifours' que tenho feito andam desandando, perdendo o ponto. vou me matricular AGORA numa escola de culinária para as férias!!!!!!!

Anne M. Moor disse...

E limpaste direitinho?

Anne M. Moor disse...

Essas metáforas que os Ferraris nos apresentam são causadores de uma risada gostosa ao acordar!!!!!!!!!!!!!!!!

Udi disse...

Esse post me fez lembrar de bombom alpino.
É!rikiha, bombom alpino pode ser adquirido em qualquer padaria e lojinha de conveniência, em qualquer momento.

Ernesto Dias Jr. disse...

A grafia correta não importa. Eu, por exemplo, uso a original, surgida na guerra, logo após a libertação de Paris.
Num bordel da Rue de Bac as moças prepararam pequenos biscoitinhos para os soldados americanos. Ao serem servidos, um dos rapazes encontrou um delicado pentelhinho em um deles. Surpreso, exclamou:
-- Whaaaat is this?
Ao que a moça respondeu:
-- C'est un petit fur, mon cherie!

Glaura disse...

Pode fazer como eu com a Bia, se, curto dos prazerosos docinhos, um deles cair no chão. Ela me pergunta, com olhar esperançoso:
-Contaminou, mãe?
E eu respondo, com tranquilidade:
-Não!
E a vejo pegar o biscoito com olhinhos brilhantes e água na boca...
Às vezes é bom ficar alheio ao exógeno!

Ernesto Dias Jr. disse...

Glaura,
Você cunhou uma espressão que, com sua permissão, vou incorporar: alheio ao exógeno.

Gui Ferrari disse...

hahahahahaha olha essa galera aqui... eu falando de petitfours e eles falando de exogenia... dai não vão reclamar por ai que a vida não é simples! imaginem vocês, desenhando em uma parede como foi a caçada de hoje com urucum, e com a casca do urucum na boca. E dai me vem um cara e diz: vem cá, você por um acaso é alheio ao exogeno? porque esta casca de urucum estava no chão, sabe? azh!

Udi disse...

meu Deeeeus do céu! Estamos nos superando! Gui está se superando.
Glaura - agora que tem olhos verdes - tá prá lá de inspirada!
Glau: ensina prá Bia o que eu ensinei pros meus filhos: quando cai no chão fala assim: "o que não mata, engorda/ minha mãe não é porca" ...assopra e põe na boca.

Flavio Ferrari disse...

Puxa ... eu dizia "come logo antes que os bichinhos comam ..."
Adorei a postagem, Gui ... principalmente aquela parte em que você diz que precisa ter alguém para comer ...

Glaura disse...

Udi,
os olhos só são verdes em ocasiões especiais...Uma forma de suplantar traumas de infância...
Adorei o versinho! Vou usar!
Ernesto,
use a expressão à vontade, será uma honra!
Gui,
quer coisa mais simples do que comer o que caiu no chão? Além do mais, facilita a limpeza!

Mah disse...

Gui, que puta suruba é essa??? rsss Caraca mewwww!!! é troca-troca de receita ... é um que come o do outro ou o de sí mesmo ... de repente pensei em petit como um baita piti daqueles que se dá em swing quando o que sobra pra vc não é exatamente o que vc gostaria... agora, numa coisa eu nao posso concordar...caiu no chão ...é lixoooo!!!!bjimmmm titi