sexta-feira, 3 de abril de 2009

Momento Zen III

[Postado por Udi]

Retomando...

Preferia que este momento não assumisse um tom “professoral” já que, assim como vocês, também evoluo na leitura do livro e na descoberta deste assunto (além de praticar meditação regularmente). No entanto, sinto que seria bom lembrar um pouquinho do que vimos até agora.

(Detalhe importante, falamos aqui do livro "O livro tibetano do viver e do morrer", autor: Sogyal Rinpoche.)

Dos dois "momentos" anteriores:

- “Meditar é interromper por completo o modo como 'normalmente' operamos”/ Libertamo-nos de alguns condicionamentos para atingir um estado de “simplicidade natural” (mais detalhes aqui)

- Na meditação buscamos trazer a mente “de volta prá casa”, trazendo-a para sua natureza essencial, um estado que pode ser associado àquela sensação de plenitude experimentada ao contemplar uma obra de arte (música, pintura), uma paisagem da natureza (montanhas, cachoeiras , ondas do mar na praia, por do sol/ nascer do sol) (mais detalhes aqui)

E, ainda, antes de prosseguir, queria citar a florzinha-gafanhota É!rica, com c que, sincronicamente, em seu blog, fez uma postagem hoje intiludada “é osso!” (aqui) e, na minha opinião, tem muito a ver com esse trecho do livro que transcrevo abaixo (adooorrrLo linkar amigos e amigas!).

“Os mestres da meditação budista sabem o quão flexível e maleável é a mente. Se a treinamos, tudo é possível. Na verdade, já somos perfeitamente treinados pelo samsara* e para ele, treinados para ficar ciumentos, treinados para o apego, treinados para ser ansiosos e tristes e desesperados e ávidos, treinados para reagir com raiva ao que quer que nos provoque. Somos treinados, de fato, até o ponto dessas emoções negativas surgirem de modo espontâneo, sem que tentemos produzi-las. Assim, tudo é uma questão de treino e do poder do hábito. Dedique a mente à confusão e logo veremos – se formos honestos – que ela se tornará uma mestra sinistra da confusão, competente no seu vício, sutil e perversamente dócil em sua escravidão. Dedique a mente na meditação à tarefa de libertá-la da ilusão e veremos que, com tempo, paciência, disciplina e o treinamento adequado, ela começará a desembaraçar-se e a conhecer sua bem aventurança e claridade essenciais.

‘Treinar’ a mente não significa, de modo algum, subjugá-la pela força ou submeter-se a uma lavagem cerebral. Treinar a mente é, antes de tudo, ver de maneira direta e concreta como ela funciona, um conhecimento que você tira dos ensinamentos espirituais e da experiência pessoal na prática da meditação. Aí você pode usar a compreensão para domar a mente e trabalhar habilmente com ela, fazendo-a mais dócil, de modo a poder tornar-se mestre de sua própria mente, empregando-a em seu potencial mais amplo e benéfico”

*samsara: Literalmente, “circundar”. A ligação de ciclos repetidos de nascimento, morte e renascimento iniciado pelo karma de alguém (ações em cada vida). (Euzinha falando: prefiro pensar no samsara como esta vida que estamos vivendo... experimente colocar no lugar da palavra este significado e veja se não faz sentido?)

30 comentários:

rm disse...

Ei Udi,
olha, formalmente o post tá muito próximo da perfeição. Congratulations!

Quanto ao mérito: não entendi como se processa o tal "treinamento da mente" via meditação. É consciente?


Apenas pra ilustrar: "Meditação (Jobim e Newton Mendonça) na voz de João Gilberto...

http://goear.com/listen/258a865/Meditacao-Joao-Gilberto-e-Stan-Getz

Udi disse...

Ei moço, isso mesmo!
já havia pensando em postar essa canção aqui...
"queeeem acreditoooou
no amor, no sorriso e na flooor
então sonhooou, sonhou demaaais
...eeee perdeu a paaaz
que o amor, o sorriso e a flor
se transformam depressa demais"
...cadê a Cora prá me ajudar a cantar isso? (...risos!)
...e essa versão é imbatível! ;)

Então, Érre, o "treinamento" é o que ainda está nas próximas 30 páginas e que eu não sei se será viável postar assim... que cê acha?

Udi disse...

Érre, só uma coisinha que ficou faltando: é com-ple-ta-men-te consciente! Tem que ser, senão não vale... nada de transe, viagem... nãnãnina! ...inclusive, o Sogyal (assim como os zen budistas) recomenda que você fique com os olhos abertos... nenhuma distração (cochilar?!)... nada de ficar "vendo" elefantes voando (...risos!)

Ernesto Dias Jr. disse...

Caraca...
Não lembrava de Samsara desde que li o Herman Hesse lá nos idos de.... deixa pra lá.

Fauve, la petite sauvage disse...

A cousa é que non hai que deixar os pensamentos ao seu libre albedrío senon seren dirixidos por nos. Pódese conseguir a forza de meditar (no sentido que explicas), coa respiración ben feita, con exercicios de relaxación e por suposto de moita práctica. Ainda podes levitar, non sei se de verdade (iso non o vin eu endexamáis) pero si sentir que levitas, iso si que o fago eu, é doado ca práctica e marabiloso.

Por outra banda, non podo esquecer o Samsara, nome dun perfume que hai anos obsesionoume tanto, era caro, moi caro para o meu peto daquela, pero era un gustar tan grande... Tiña o nome ben posto, ¡sen dúbida!

rm disse...

Ainda não, Udi... (tô falando que eu sou uma anta... rss)

Minha curiosidade está particularmente atiçada quanto a esse suposto processo de conscientização.


E você não vai postar sobre as tais 30 próximas páginas? E não vai falar nada da sua experiência pessoal? Ah, dona Udi... rss

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Estou acompanhando, e adorando.
Olhar para dentro (independente da metodologia) sempre foi o melhor investimento; hoje é sobrevivência pura.
Parabéns,
bjs

Cora disse...

Ó Udi, procê não dizer q eu não ajudei:

"Quem chorou, chorou,
E tanto que seu pranto já secou
Quem depois voltou,
Ao amor, ao sorriso e à flor,
Então tudo encontrou
Pois, a propria dor revelou
o caminho do amor,
E a tristeza acabou."

Mas, sobre a meditação, acho um exercício muito difícil prá minha mente naturalmente dispersa...rs

Bjim.

Pedro Antônio disse...

Bacana este espaço!

Estive por aqui e gostei!

Voltarei mais vezes!

Um abração.

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com

Udi disse...

Ernesto!
Que bom que voltou!
Wellcome back!
Tenho a impressão que você já mencionou samsara em alguma das novelas escritas com FF.

Fauve:
Gracias por su visita.
A sensação de levitar pode se dar (em minha opinião) pela percepção de se "dissolver" no todo, quando meditamos... o "eu" e o "entorno do eu" já não existem separados... então pode-se levitar junto com o ar, com as nuvens... e muitas outras almas.


Ei Érre...
ainda não o quê? Mesmo não sabendo o que você "ainda não", já sei que discordo que você seja uma anta.
Sobre a minha experiência pessoal, tem um pouquinho (talvez a essência) na minha resposta à Fauve, aí em cima.

Christina,
que alegria você por aqui. Sem dúvida, voltar o olhar para si é fundamental. Sempre leio seus comentários relevantes no blog do Ricardo Soares. Obrigada!
beijos

Cora,
Dispersa é uma coisa que a sua mente não é! ;)
Obrigada por complementar a canção com a parte em que os versos são mais generosos :)
bjão

Pedro,
de onde você veio, garoto? Obrigada pelo comentário elogioso que me desmonta completamente junto com o exercício de desapego do ego que tento praticar com afinco. Com certeza irei conferir essa Torre Mágica. Abraço.

Walmir Lima disse...

Excelente, Udi!
Você já amadureceu tanto como colaboradora do Prozac Café que já merecia ter um Blog próprio.
Que tal, "Espaço Udi Zen" (www.espaco-udi-zen.blogspot.com)?

rm disse...

Ué,
falei que ainda não tinha entendido completamente como se processa o aprendizado. Você deu novas explicações, que não me demoveram todas as dúvidas. Viu, eu sou uma anta! rss


(caraca; você levitou, Udi?)

Udi disse...

Walmir, cê tá me despejando? (...brincadeirinha!).
Ainda estou confortável por aqui... além do mais, adoro o nome desse blog! Votei nele!

Mas agradeço muito seu elogio e... como disse acima para o Pedro, isso acaba com minhas tentativas de desapegar do ego!

Udi disse...

Ei moço, mas é claro que você não é uma anta! Como você poderia entender o aprendizado se eu ainda não cheguei no pedaço em que ele fala disso?! ...por isso eu pedi sua opinião sobre postar as 30 páginas sobre o "treinamento"... não sei se consigo pegar apenas o essencial... são várias recomendações... não dá prá pular umas e citar outras...

...mas será que isso seria uma "vingancinha" por causa do meu interrogatório no post sobre o G-20? ...risos! ...se for, tô adorando! :)

Walmir Lima disse...

Maria Udi,
Você sabe que eu sou um incentivador para que os amigos tenham um Blog e nos brindem com sua inteligência e arte.
Como eu disse, acho que você já adquiriu a maturidade suficiente (tecnicamente falando) para ter seu próprio Blog.
Vejo isso como uma evolução.
Você tem volume de matérias e até um tema (característica básica para um bom Blog) que é o tema "Zen".
Poderia até mesmo aproveitar o "gancho" e usar o "Momento Zen" como título, que eu também acho ótimo.
Ademais, você sabe que todos nós que já temos Blog também temos a prerrogativa de postar no Prozac (desde que a Tina concorde e aprove, é claro).
Já pensou? "Maria Udi - Momento Zen"
Bunito !!!

Walmir Lima disse...

Coragem, muié !

Udi disse...

Walmir, obrigada pelo incentivo mas eu ainda estou mais prá Prozac que prá Zen... um dia, com muita meditação, quem sabe chego lá.

Érica Martinez disse...

Udita! Que profissa! AdorLei! E ainda por cima ganhei novos visitantes lá no... (tava tentando achar um apelidinho pro meu bloguin...)

Mas, me diga: e como a gente faz isso com o cérebro? Conversando normalmente com ele? "ó, cérebro, não é pra ficar tendo ciúmes das coisas, desapega, bicha!"
Ou: inspire e expire e desapegue... 1...2...3...

Obrigada pela aula, arrasou!
Bjo, me liga, da gafanhota!

Udi disse...

É!rica-flor!
Que tal "bunitim"?... "lindim"? ..."a menina das calcinhas"? (...risos!) ..."canteiro".

Quanto ao "como se faz?"... esse será meu grande desafio: colocar em poucas postagens o essencial das técnicas de meditação que o Sogyal Rinpoche trata em seu livro.

beijos!

Udi disse...

Ei Érre, levitei não, nego! Como eu disse em meu segundo comment lá em cima, não tem pirotecnia... tentei dizer à Fauve que podemos ter a sensação de levitar por causa da percepção de ser um com o todo, com o entorno.

leve solto disse...

Udi querida,

Não costumo deixar amigos sem apoio...e sou da turma do RM... anta também... Mas juro que tô me esforçando... Vou continuar lendo...

Várias vezes pensei (bastante) sobre meditação, porém não tenho conhecimento algum.
Minha pergunta constante é: até as pessoas mais elétricas (como eu) são capazes? Desculpe a ignorância!

bjs

Udi disse...

Oi Mara, que surpresa você por aqui. O ÉrreEme é capaz de tudo mesmo, né? Ou, melhor, as amigas são capazes de tudo pelo Érre, né? (...risos!)
Por tabela, vou discordar da sua opinião a respeito da anta... ou viramos todos antas, que acha?
Mas, minina... não me peça conselhos! quiquieu vô sabê sobre a meditação ser boa procê?! :)))
beijos e thanks por aparecer!

Tetê disse...

udi,

como discente, vou aprimorando meus conhecimentos sobre o assunto.

bj
..

ah...
menos azeda
.

Udi disse...

Tê,
azeda quanto quiser! ...que aí ainda vai sobrar doçura prá "mais de metro"!
Discentes: somos duas!

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Obrigada pela visita e pelo comentário!
É um blog atípico, mesmo, pois é um ensaio para um livro, e ainda por cima teórico; daí eu ficar muito feliz com as opiniões, pois no tempo do ensaio a gente tem tempo de aprimorar, não é?
Volte de vez em quando, pedacinho por pedacinho...rsrsrsrsrsrs
BJS!

rm disse...

Maroca,
será que eu sou loiro? rss

Udi,
até que você me deu uma boa ideia (a "vingancinha"... rss)!
Pois eu conheço gente que levita fácil fácil... E nem precisa meditar... rss

Udi disse...

Ei Érre: claro que tem! às vezes você me faz tirar os pés do chão, sabia? ...aliás, estou lembrando de um poeminha... beeeem bestinha, se der coragem (se desapegar do ego) vou postar.
:)))

rm disse...

Ôpa!

Tô torcendo pra dar coragem (desapegar do ego)...

Udi disse...

Ei moço... sei da tua torcida e agradeço muitão... só faltou você comentar sobre a minha levitação... hihihi! (esses são risos "sacanas").
beijins

Fauve, la petite sauvage disse...

Gracias a ti, Udi. A sensación de levitar será sensación pero é magnífica. Ogallá entendera mellor o portugués para seguirte máis; tentareino porque gústame moito o que dis.
¡Saúdos!