segunda-feira, 5 de maio de 2008

Lágrimas

[Postado por Ernesto Dias Jr.]




De Pedro Homem de Mello e Joaquim Campos:

Povo que lavas no rio

Povo que lavas no rio
Que talhas com teu machado
As tábuas do meu caixão
Há-de haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda
Beber em malga que esconda
Um beijo de mão em mão
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição
Povo, povo eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso
Mas a tua vida não

Outro dia Tapadinhas publicou um vídeo de Dulce Pontes cantando Canção do Mar. Hoje comprei o CD. Chama-se Lágrimas, e é como diria um luso-brasileiro, da hora, ó pá.


Está nas lojas por aqui, e recomendo. Essa música cuja letra reproduzi mostra bem porque nós brasileiros podemos tentar, mas nunca igualar o charme e a elegância do modo de dizer poesia dos portugueses. Acho que é o vocabulário, sei lá.

5 comentários:

Flavio Ferrari disse...

Ora, pois ... e ax poisias brasileiras ?

Meu coração por tí gela
Meus amores, por ti são
Já que não posso amar ela
Já nela não penso não

Érica disse...

é... ontem fiquei horas na Cultura namorando uns livros do Pessoa...

Walmir Lima disse...

Ernesto,
Há muito tenho este CD (e já te comentei sobre ele, faz algum tempo).
Me encantei com a voz dela, que considero a melhor cantora da moderna música portuguesa e, para mim, uma fadista do nível das mais famosas, como Amália Rodrigues.
A primeira vez que a ouvi foi na trilha da novela 'As Pupilas do Senhor Reitor", na época em que lançou o disco no Brasil.
Logo depois a vi no programa do Jô Soares.
Uma moça linda.
Parabéns pela escolha.

Walmir Lima disse...

Há mais ou menos um mês, mostrei para o Jorge e a Stephania e ficamos uma tarde curtindo as músicas e a voz dela.
Pena que não estavas, ó pá!

Gui Ferrari disse...

lindo... emocionante de verdade..