segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Aprendendo com Voldo

[Postado por Flavio Ferrari]

Voldo é o anti-heroi do livro Disfonia Quântica do Rodrigo (obra quase acabada).
A pré-leitura tem sido muito inspiradora.
Compartilho com vocês, em primeira mão, uma das digressões de Voldo, o detetive da verdade, enquanto buscava solucionar um de seus casos. Obviamente, minha interpretação da dita cuja ...

1. Numa visão sincrética, podemos dizer que nossa alma (ou essência vital ou qualquer outra coisa assim) é parte de Deus. Quando morremos, essa partícula volta a suas origens... voltamos a nos encontrar com Deus.

2. A população mundial vem crescendo exponencialmente, o que significa que temos um número cada vez maior de pessoas portadoras de almas por aqui.

3. Isso nos deixa duas alternativas: ou Deus vem diminuindo de tamanho, ou as almas estão cada vez menores.

Terminam aqui as digressões de Voldo e começam meus comentários...

4. Observando o que se passa por aqui hoje em dia, aposto na segunda opção: um mundo de pequenas almas.

5. Por outro lado, mesmo considerando que Deus mantém sua onipotência (descontada a pequena e constante parcela parcimoniosamente distribuida para manutenção das vidas mortais), noto uma sensível redução no montante individual de atenção dedicada a cada alma em particular.

6. Sobraria, ainda, uma terceira possibilidade não considerada por Voldo: em algum outro planeta a quantidade de "vida" poderia estar diminuindo, e o saldo transferido para a Terra. Mas para issso precisaríamos acreditar que existe vida em outro planeta ...

6 comentários:

É! disse...

bom... vantagem dos que nasceram há algum tempo, desvantagem para os que estão nascendo agora...
Estou repensando a possibilidade de ter filhos por conta disso.
Acho também, que alguns presidentes de grandes potências devem ter trocado o que lhes restava de alma por um pouco de petróleo e dólares... O que acha?

Ernesto Dias Jr. disse...

Esse tema é sempre engraçado, rsrs. Já brincamos com isso em Pecado e Capital.
O que nem Voldo nem você consideraram foi a propalada infinidade de Deus.
Infinitos não aumentam, não diminuem nem podem perder porções.
Deitou o 8, danou-se.

disse...

Ernesto:
Juro que quando vc fala essas coisas , eu não consigo não dizer que EU TE AMOOOOOOOOOOO(RSSSS), mesmo que de outro jeito e que a gente não queira mais se namorar (rss).
Flávio:
Essa teoria da migração de almas,tem algo coincidente com a teoria Kardecista.
Bj
Lú.

Flavio Ferrari disse...

Lú: meu primeiro trabalho foi justamente de Kardexista (vai ter que pedir para alguém da minha idade te explicar essa ...).
Ernesto: hoje só existe uma pessoa para quem eu deito um 8.
Érica: sua alma é grande, dá para dividir com um filho e ainda sobra.

Ti disse...

Flávio,

Confesso que ainda não tenho uma teoria formada a respeito de Deus, talvez nunca tenha, mas pensando livremente...

Acredito que Deus seja uma grande força energética que une a todos os seres humanos e que, quanto mais próximos a ela, maior a possibilidade de aprender a utilizá-la, já que a capacidade já faz parte da nossa criação!!

Se for isto...e utilizando-me da sua teoria, acredito que a energia esteja cada vez maior, o que pode significar o início de um grande aprendizado e uma revolução a caminho!!

(isto que dá usar a imaginação)...

Beijos

Udi disse...

Difícil pensar em Deus como algo que tenha tamanho...
Mas as almas pequenas já existiam mesmo quando havia mais espaço, tanto é que teve alguém que falou (há muuuito tempo atrás, antes do planeta estar super-habitado) "tudo vale a pena quando a alma não é pequena"