quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

HaiKai - um pouco de estória...

[Postado por Flavio Ferrari]

Vagando pela Internet descobri que o criador dos Hai Kai foi um tipo chamado Sorobo Nasuruba.
Não é seu nome verdadeiro. Adotou esse pseudônimo na adolescência, após alguma experiência traumática não revelada.
A métrica original criada por Nasuruba era 90-70-90, sendo que a primeira e a terceira linha eram divididas em duas metades simétricas (45x45 - 70 - 45X45).
Como os versos ficavam muito longos, um estagiário da redação do Bishoujo Shimbun simplificou tudo adaptando para caber em um quadrinho de Mangá. Ficou 5-7-5, dalí para frente.
Nasuruba reclamou. Considerava o novo formato muito curto, muito direto, sem lugar para os tradicionais rituais japoneses de preparação.
O estagiário explicou que no mundo moderno não havia mais lugar para isso. Na sua opinião, quem não fosse direto ao ponto, acabaria sobrando.
Sorobo Nasuruba escutou em silêncio, curvou-se em reverência e bateu em retirada.
Em casa, chorou aliviado. Finalmente havia descoberto a causa do seu fracasso.

12 comentários:

Udi disse...

Vagando pela internet, encontrou o Ludo e... deu nisso, né?!
Delícia de texto! Agradeço as gargalhadas!

...e eu que não prestei atenção ao título, pensei que fosse ler um pouco sobre a história do hai kai (não sei se estou rindo mais do texto ou da minha cara)

Udi disse...

quando postei o Lenine a sua postagem não estava... só apareceu depois (???)

Flavio Ferrari disse...

Aparentemente o blogger estampa o horário em que a gente começa a postagem ...

disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Flávio:
Vc tem algum amigo que trabalha no Cartório de Registro Civil
e Pessoas Naturais no Japão?
Tem um talento especial pra nomes nesse idioma...

É! disse...

ai... estou ainda pensando no significado do Bishoujo Shimbun...

Ti disse...

Tamanha criatividade é sempre uma admiração!!!

disse...

Esse , literariamente falando, na minha opinião é um GRANDE texto. De verdade. Muito muito bom.
Dos melhores do Arguta.
Totalmente redondo, a referência final remete ao início com a surpresa do inusitado e tem estruturas semânticas e sintáticas elegantes .
Por isso lindas . Elegância no escrever.Enxuto e certeiro.
Observem:
"Sorobo Nasuruba escutou em silêncio, curvou-se em reverência e bateu em retirada".
A força e o poder que traz a ação efetiva em pouquíssimas palavras...
Elegância e precisão...
Nada de estruturas rebuscadas que pesam e enfeiam o texto.
E ainda:
"era 90-70-90, sendo que a primeira e a terceira linha eram divididas em duas metades simétricas (45x45 - 70 - 45X45)".
A IRÔNIA na primeira leitura NÃO se percebe. O gancho pra ela só se apresenta no final.
No aspecto da comunicação, nem é preciso dizer nada: brilhante!
GRANDE MOMENTO.
Qualquer prof.de literatura, considera isso uma jóia.

Lú (prof. de literatura -rss)

PS:A criatividade e as gargalhadas ( já merecida e oportunamente citadas),dispensaram comentários nessa análise.

Udi disse...

...e essa ilustração?!
O que ela teria a ver com o hai kai? hein.. hein?! alguém pode me explicar?! (huáhuáhuáhuá...!)

Reinaldo Ortega disse...

Flávio: Uma grande lição da vida, ir direto ao ponto uma das chaves do sucesso.

Flavio Ferrari disse...

Segundo consta, a ilustração é do Angeli ... mas não se pode confiar na Internet ...

Flavio Ferrari disse...

Ah... e Érica, Shimbun é a palavra que designa genericamente Jornal (deve ser diário ou qualquer coisa assim).
Bishoujo é algo como "bonitinha", ou pelo menos a palavra define os "animes" (desenho animado japones) com meninas bonitinhas.
Maiores informações com a Udi Tarora.