quarta-feira, 30 de abril de 2008

Feromônios virtuais

[Postado por Tina]

O Gui anda desesperado porque não consegue atrair o Google para o seu site.

Primeiro, Gui, você tem que saber que o Google (Search) já sabe da sua existência, porque você está hospedado no Blogger, que é da (empresa) Google. O que o Google precisa saber agora é do seu conteúdo. E como é que ele faz isso?

Existe um robot (isso mesmo: um robot) que faz isso. A menos que você não queira, robôs visitam páginas da internet todos os dias, com vários propósitos. A maioria deles vasculha sites à procura de conteúdo para engordar bancos de dados e indexadores de serviços de busca. O robot da Google chama-se Spider.

Esses robôs são (quase sempre) benignos. Cabe ao firewall e ao antivirus do seu provedor (nesse caso o Blogger), impedir a entrada de robôs maliciosos.

Existe uma técnica prevista pela W3C (o consórcio que organiza os padrões da Web) para evitar que robots varram um site. É só colocar no diretório (pasta) raiz do seu site um arquivo qualquer, desde que tenha o nome norobot. Intranets e outras redes privadas ou que queiram permanecer anônimas usam desse expediente.

Assim que chega em uma página, o robot procura por três coisas: o tag <meta> (já vou explicar o que é isso), o cabeçalho (tipicamente os 120 primeiros caracteres de uma página), e finalmente o resto da página. E ele atribui importância -- para efeito de buscas -- exatamente nessa ordem.

Colhendo e escolhendo

Imagine o robot coletor – que vive de colher palavras-chave – entrando em um site. Ele entra com um saquinho vazio e vai enchendo com palavras para levar embora e entregar ao seu chefe, o robot escolhedor. Que palavras ele colhe? Primeiro, as que estão nos tags <meta>. São as mais visíveis para ele. Depois ele vai no conteúdo e leva de 120 palavras até a totalidade delas, dependendo da importância do site.

De volta para casa, ele entrega ao robot escolhedor. O escolhedor separa as palavras dos <meta>. Essas serão passadas ao robô arquivista sem mais considerações. Aí ele procura no texto do conteúdo por palavras importantes, ou seja, aquelas pelas quais as pessoas mais procuram – e escrevem. Quanto mais palavras importantes no texto, maiores as chances do robot escolhedor mandar o conteúdo todo da página para o robô arquivista.

Tenha em mente que o trabalho desses robôs é dinâmico e inteligente. Há dois meses, por exemplo, se você buscasse pela palavra “nardoni” os resultados seriam pífios. Mas de repente os robôs perceberam que não só muitas pessoas estavam buscando por essa palavra, como ela começava a aparecer com enorme freqüência no material colhido. Os coletores e escolhedores então passaram a dar um peso cada vez maior ao vocábulo, de tal modo que qualquer página que incluir o nome “nardoni” no seu cabeçalho dificilmente vai passar despercebida por eles.

Ajustando a meta

O tag <meta> de que tanto falei é uma tripinha de programação HTML (a linguagem da página), que tem vários propósitos e vários sabores. Vamos ver só os que nos interessam. Os <meta> sabores description e keywords são os mais importantes para nossa pequena discussão. Como os nomes já dizem, eles colocam na sua página uma breve descrição do seu conteúdo, e uma pequena lista de palavras-chave para os mecanismos de busca. Um exemplo para um site de cinema poderia ser assim:

<meta name="Description" content="O cinetreco.com é um site que revela o cinema como ele é feito" />

<meta name="Keywords" content="cine, cinema, movie, diretor, direcao, roteiro, roteirista, ator, atuacao, atriz, artista, producao, produtor, curta-metragem, curtas, longa, cultura, cinema brasileiro, animacao, stop-motion, picture, box, pipoca, plano, angulo, camera, luz, fotografia, trilha, acao, drama, comedia, aventura, ficcao, romance, noir, serie, temporada, continuacao, expressionismo, classico, musical, trash, heroi, vilao, enredo, ingressos, edicao, trama, documentario, making of, cineclub, clube de cinema, cinemateca" />


Você pode editar esses <meta> como quiser.

Você pode escrever o que quiser na lista de palavras-chave? Não, não pode. Muitos espertinhos usavam palavras como sexo, bunda e outras cositas más para atrair pesquisas. Atualmente, quando uma palavra-chave inclui um termo muito visado, os mecanismos de busca percorrem o conteúdo da página para ver se é consistente com o tag <meta>. Se não for, babau. Os robôs consideram isso uma fraude e colocam o seu site em uma lista negra de coletas. Palavras-chave da moda (como por exemplo “nardoni”) também atraem a lupa do robô censor).

Reprogramando o <meta>

Se você conhece HTML, pode mexer no programa (modelo) do seu blog e incluir o tag <meta> que quiser. É só fazer uma copia de segurança antes, como manda o figurino.
Se você não tem familiaridade com essas coisas, peça a alguém que saiba para fazer isso para você (no seu caso, Gui, eu posso fazer, viu?).

Atraindo o povo

Mas tudo isso não basta. É preciso também que o Google (ou outro buscador) coloquem você em evidência, logo na primeira página de resultados se possível. O critério usado pelos mecanismos de buscas é do page rank. Maior o page rank, maior as chances de sua página sobressair-se.

O page rank é montado de acordo com alguns critérios. Os mais importantes pela ordem são:

1) Popularidade. Quanto mais tráfego tem o site, maior seu rank. Simples assim.

2) Referências. Quanto mais links de outros sites para o seu existirem, maior será o seu rank. Este é um critério importante e muito cobiçado, porquê o rank do site que aponta para o seu é considerado. Assim, ter um link seu no site da Globo ou de um blog famoso e importante conta mais pontos que um link aqui no Prozac (Chuiff...)

3) Assinantes RSS: Quanto mais acessos RSS seu site tiver, mais pontos. Cabe aqui uma propagandinha. Sabe aquela listinha de postagens que aparece no Assertiva cada vez que você abre a página principal? Aquela que mostra as últimas postagens da nossa aldeia? Ela é feita através de um acesso RSS. O que significa que, cada vez que Assertiva é aberto – seja por quem for – um robô de RSS é disparado para cada um dos blogs. Assim, cada vez que alguém entra no Assertiva, está contribuindo também para melhorar o rank de todos os outros blogs.

O host no qual o site está hospedado também pode contar pontos. O simples fato de você estar no blogger (com blogspot no endereço) já eleva a sua pontuação.

Tudo o que eu expliquei aqui é genérico, e cada mecanismo de busca tem suas especificidades. Os do Google podem ser encontrados em http://www.google.com/support/webmasters/bin/answer.py?hl=en&answer=34432. Nesse endereço há links para várias respostas às perguntas que você ainda tem.

Comprando prestígio

É possível pagar para ter prioridade nos mecanismos de busca? É sim. Alguns deles fazem isso às claras (como os tais links patrocinados do Google), enquanto outros simplesmente adicionam pontos ao seu page rank. Quanto mais pontos mais caro, claro.

Um site vale pelo conteúdo – seu e de seus leitores.

Espero ter sido útil, Gui, mas não se esqueça que visitação não é tudo. Cerca de 40% de todo o tráfego de Assertiva é do tipo dismiss, ou seja, de pessoas que chegam até lá pelo mecanismo de busca e não voltam nunca mais. Garimpar leitores é uma tarefa tão árdua quanto prazerosa, e é feita de uma única maneira: dando a eles conteúdo com a qualidade que eles merecem. Isso vale muito mais para blogs, onde as pessoas se relacionam, reagem, criam laços mais ou menos fortes.

Escreva, escreva, escreva. Aperfeiçoe sua escrita. Deixe que seu estilo aflore (e o seu é marcante), sem jamais criar um gênero ou deixar de ser você mesmo.
Com o tempo você verá mais e mais gente de qualidade visitando o seu blog (tem gente que arruma até namorado(a)!).

Friend-rank é muito mais importante que qualquer page-rank.

14 comentários:

A.Tapadinhas disse...

O saber não ocupa lugar, dizemos às vezes, e é esse o grande mal: se ocupasse, não deixava lugar para a ignorância! O que eu tenho aprendido... e sem frequentar as inefáveis universidades da 3.ª idade...
Beijo.
António

Érica disse...

desculpaí, hein?!

udi disse...

Tina! Que bom tê-la de volta!
(posso ler depois?)
beijo

Érica disse...

e eu posso colocar esse meta em qualquer lugar do "html" do blog?

Anne M. Moor disse...

Manter visitantes nos nossos blogs é uma questão de fazer amigos... E o que nos impulsiona (a nós que gostamos de escrever) é também gostar de sermos lidos. E o companheirismo que se cria pelos comentários, que complementam o texto, traz atona a familiaridade que rola por nossa blogosfera. É uma delícia!!

disse...

PQP!
FALA SÈRIO!!!!!
Eu babo meeeeeeeesmo.....
Beijo

Flavio Ferrari disse...

Tina: brilhante. Embevecido, agradeço a atenção dada do filho.
Érica, esse negócio de meter em qualquer lugar não vai dar certo ...

Tina disse...

Flavio:
Aprendi uma coisa num certo lugar por onde andei certos tempos: filho de irmão é sobrinho.

Érica:
Não, não pode. Tem que ficar dentro do header (entre <head> e </head>). Procure no código e verá que já existe lá um <meta> sabor tittle. Colocar abaixo dele é boa prática.

Lú:
Assim eu viro lésbica...

Anne:
Esse é o espírito da coisa.

Tapadinhas:
Muito gosto ver você aqui na minha postagenzinha.

Walmir Lima disse...

Essa Tina é mesmo uma tina (ou seria um poço) de conhecimento.
Grato por compartilhar os feronômios e outros tantos.

Walmir Lima disse...

E os Feromônios também, claro.

Raquel Neves de Mello disse...

Bonita, inteligente e didática. Quando crescer, quero ser igual a ela.

Flavio Ferrari disse...

Prefiro as noidáticas ...

Raquel Neves de Mello disse...

Noidaticas? Alguem explica?

Gui Ferrari disse...

MUITO INSTRUTIVO!
briiiiiigadooo Tina!
ainda te convido para um café!
aliás, seu amigo Ernesto prometeu ajudar-me com o meu baixo, ve se aparece no dia que isso acontecer que faremos alguma coisa com o meu novo blog!

BRIGADO!