sábado, 11 de agosto de 2007

olê, olê, olê, olá...

[Postado por Érica Martinez]

Eba!! Será que a briga dos elefantes nos deu uma pausa?
Só pude pensar nessa música ao ler o texto do Ernesto lá no Assertiva, portanto, para festejar...

Não chore ainda não, que eu tenho um violão
E nós vamos cantar
Felicidade aqui pode passar e ouvir
E se ela for de samba há de querer ficar
Seu padre toca o sino que é pra todo mundo saber
Que a noite é criança, que o samba é menino
Que a dor é tão velha que pode morrer
Olê, olê, olê, olá
Tem samba de sobra, quem sabe sambar
Que entre na roda, que mostre o gingado
Mas muito cuidado, não vale chorar

6 comentários:

Walmir Lima disse...

A gente "samba", samba e é feliz,
Ou vice-versa
(...parafraseando Mário Benedetti...)

Flavio Ferrari disse...

Não sou muito fã de samba, mas bem vinda de volta à roda ...

Ernesto Dias Jr. disse...

Essa música me traz recordações emocionantes de um tempo explosivamente criativo para mim. Obrigado por relembrá-la, Érica.

Anne M. Moor disse...

Dançar samba é melhor que ouvi-lo...

Udi disse...

Ernesto: nessa época da qual se lembrou, você tocava violão na lage?

É! disse...

Flavio: é que esse nem é samba, é Chico!(que deveria ser um nome de um estilo musical, isso sim...)

Ernesto: que voltem, então, as explosões criativas!

Eu gosto de sambar E ouvir E cantar...